segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Comics


Injection #14:  Uma inteligência artificial que se cansou de colonizar os mundos electrónicos e agora busca as probabilidades do que está para lá da nossa perceção. Warren Ellis é um mestre na hipermodernidade autista, e este diálogo em particular uma demonstração disso. Na sua newsletter, Ellis observou que "All of the INJECTION volumes are takes on classic British weird fictions. Vol 1 was Quatermass, Vol 2 was Holmes, Vol 3 is Doctor Who. I felt like taking a tour of the old terrains. So Vol 4 is Bond. Vol 5 can possibly be characterised as Carnacki. These are probably personal territories as much as anything". No entanto, neste arco narrativo passado na Cornualha, é-me impossivel não detectar elementos de Arthur Machen, com a magia contida nos vestígios arqueológicos, ou William Hope Hogdson. The House on the Borderlands, com o conceito de zona de fronteira entre o nosso natural e outras naturezas, aplica-se curiosamente a este volume de Injection.

E hey, uma IA que aprende a comunicar analisando pornografia online. Soa absurdo? Mostrando que you can't make this thigs up, recordem aquele bot da Microsoft que teve de ser desligado porque, usando o twitter como base de dados para criar textos automatizados, depressa começou a dar sinais alarmantes de sexismo e xenofobia.
 

Mech Cadet Yu #01: É sempre giro (do meu ponto de vista sci-fi fanboy) pegar em séries YA com mechas. Esta nova série da Boom! mistura o clássico underdog, o jovem desprezado pelas elites graças à sua origem humilde, e robots alienígenas que se unem a humanos para combater terríveis ameaças. Não esperemos muito desta série, é mais uma das infindas variantes sobre o tema, mas a imagem de um robot vulnerável no seu primeiro encontro com o seu futuro piloto humano é encantadora.

Sem comentários: